"

Tempo gasto no mobile

Pesquisa aponta os países que mais ficaram em

aparelhos móveis nos últimos anos

Acompanhe o infográfico do CUPONATION

Saiba em qual posição o Brasil aparece


Brasileiro passa quase 6h por dia em aparelhos móveis

Possuir um aparelho móvel hoje em dia é sinônimo de praticidade, acessibilidade e comunicação, e quem tem um dispositivo em mãos usa e abusa (às vezes até demais) dessa facilidade. Tendo isso em mente, a plataforma de descontos online CUPONATION compilou dados sobre o uso dos eletrônicos ao redor do mundo. Uma pesquisa realizada no começo do ano pela companhia de dados internacionais App Annie e divulgada pelo CUPONATION estimou quanto tempo a população mundial gastou usando dispositivos móveis durante os últimos anos. Entre as 17 nações presentes no estudo, o Brasil aparece ocupando o primeiro lugar do ranking, com os brasileiros navegando em smartphones e tablets por cerca de 5 horas e 40 minutos diariamente nos últimos 12 meses. Indo mais além, não estando no topo da lista somente em 2021, o levantamento surpreende ao apontar que o território brasileiro estaciona nesta posição desde 2019: somando por volta de 4 horas no primeiro ano de pesquisa, e subindo para 5h e 20m no ano seguinte. Fazendo uma comparação entre os anos, a plataforma de descontos online registrou que o tempo gasto por aparelhos móveis pelos brasileiros cresceu de forma significativa nos últimos 3 anos - totalizando 31,71% de aumento no uso. O país que surge em segundo lugar é a Indonésia, completando a mesma quantidade de horas brasileiras em 2021, seguida pela Coreia do Sul, em que os coreanos acessam os dispositivos por 5 horas redondas, todos os dias. Com 3h e 20m, a China consegue o último lugar do ranking. Confira o estudo completo no infográfico interativo do CUPONATION. O top 3 da lista são os únicos territórios que superam a marca de 5h. No geral, as 10 primeiras nações apresentadas no levantamento ultrapassaram as 4 horas e meia no ano passado, o que significa uma média de crescimento de 30% de uso comparado com 2019.

"